Trabalhar no Vietname

OLÁ A TODOS!

Chamo-me Lucie Spillebout e acabei de concluir o meu estágio na agência de design gráfico What'zhat, em Paris. Ho Chi Minh, Vietname. Por isso, quis escrever um artigo sobre este estágio e o facto de ter vivido durante 2 meses nesta enorme cidade e capital económica do Vietname: Saigão.

Em primeiro lugar, queria vir para o Vietname. Ainda não sabia em que contexto, nem quando, nem por quanto tempo. Inicialmente, pensei vir para cá como mochileiro, mas vim como estagiário, o que me permitiu combinar a descoberta de um país com uma experiência de trabalho (por isso, a viagem de carro vai ser adiada). Quis vir para cá porque, depois dos meus estudos, quero mudar-me para outro país, provavelmente um país asiático, durante alguns anos. Gostaria muito de mergulhar nesta cultura, que me intriga.

TUDO AQUI É UMA LOUCURA!

Para começar, os vietnamitas são fantásticos, estão todos a sorrir. Bem, não todos, mas ¾ deles, porque ver turistas durante todo o dia deve ser cansativo no final. Mas estão todos a sorrir, e o mais adorável são as crianças que acenam ou vêm ter connosco para dizer "olá". Lembro-me de andar de bicicleta por a selva perto de Can Tho e passando casas, em todas as casas ouvia os seus habitantes cumprimentarem-nos.

Em segundo lugar, aqui o stress não é um modo de vida em comparação com a França. As pessoas são calmas e não andam de um lado para o outro. Num restaurante, por exemplo, é muito raro que todos sejam servidos ao mesmo tempo, os empregados não andam de um lado para o outro, não se ouvem comentários stressantes vindos da cozinha e o serviço é feito com calma e uma atitude zen. Já vi scooters avariadas na berma da estrada e o condutor arranja-as calmamente na berma, enquanto em França teríamos tendência a ficar excitados.

CONDUZIR EM HO CHI MINH É DEFINITIVAMENTE UMA EXPERIÊNCIA QUE VALE A PENA EXPERIMENTAR!

Para me deslocar da mesma forma que os vietnamitas, descarreguei oaplicação Agarrar. Grab é o Uber da Ásia, mas aqui a maioria das compras é feita de scooter e não de carro. Infelizmente, não aluguei a minha própria scooter porque não sei conduzir uma e não queria arriscar acidentes no outro lado do mundo. E não sou suficientemente bom a conduzir Mario Kart...

O mais impressionante da sua condução são os sinais vermelhos - até parece que estamos na linha de partida do Mario Kart. Quando o sinal fica verde, todas as trotinetes arrancam ao mesmo tempo e em todas as direcções. Estamos a ser ultrapassados da esquerda para a direita, por todo o lado.

Além disso, a sua condução é bastante ruidosa, e aqui os indicadores são muito pouco utilizados, ao contrário da buzina, uma vez que conduzem onde há espaço na estrada. Usam as buzinas para avisar os outros para virar, para ultrapassar pela esquerda ou pela direita, ou para cortar um cruzamento... (pergunto-me como é que os condutores sabem de onde vem o barulho, sabendo que todos os veículos estão a buzinar...).

MACARRÃO, ARROZ, MERCADOS E MUITO MAIS!

Também experimentei alguns pratos típicos vietnamitas, como o "Phở"que é uma sopa de massa de arroz com carne e ervas aromáticas.Bún chả"eBún thịt nướn", que são pratos finos de massa de arroz com carne de porco e legumes. A forma da carne de porco difere entre os dois pratos e o "Bún thịt nướn" contém rolinhos primavera e amendoins.

Os pratos aqui são todos à base de arroz, macarrão ou macarrão de arroz e carne. Visitei a fábrica de massa de arroz em Can Tho em Delta do Mekong depois de visitar os mercados flutuantes.

Experimentei também alguns frutos típicos do Sul da Ásia, como as bananas pequenas, o mangostão e a fruta do dragão, mas não provei o durião. Este fruto é conhecido pelo seu cheiro repugnante e muito forte, o que é um facto, e o cheiro é comparável ao do lixo. De facto, são estritamente proibidos nos aeroportos, para grande aborrecimento dos vietnamitas.

No trabalho ou em casa, adquirimos o hábito de encomendar no Pegar em comida e fazer com que sejam entregues diretamente no local. Isto significava que podíamos aceder rápida e facilmente a alimentos de outros distritos. No trabalho, comíamos frequentemente em conjunto, quer no restaurante, quer na agência.

Durante o meu estágio, trabalhei e vivi em Thao Dien, no distrito 2, que é mais um bairro de expatriados. Conheci lá muitos franceses, mas também americanos, sul-africanos, irlandeses...

Eu falava principalmente francês e inglês, por isso não aprendi muitas palavras vietnamitas, apenas como dizer bonjour "Xin Chao" e merci "Cam on". O bairro Thao Dien e a cidade de Ho Chi Minh em geral não são zonas pedonais, pelo que não é muito fácil deslocar-se a pé, razão pela qual me desloquei principalmente numa scooter Grab. O distrito 2 dá-lhe a oportunidade de comer todos os tipos de cozinha, sendo um distrito de expatriados, pode encontrar todos os tipos de restaurantes aqui. Por último, mas não menos importante, a zona é bastante calma, o que é bom para passear à noite, quando o trânsito é mais leve do que durante o dia.

No distrito 1, ou no hipercentro, também pode encontrar todo o tipo de comida a todos os preços. Se quiser encontrar comida mais barata, tem de sair das zonas de expatriados ou turísticas. Há também muitos mercados, e eu fui a um no centro da cidade. por Bén Thành o único de Bà Chiểu e um no distrito 10.

A MINHA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Quis escrever este artigo por duas razões: em primeiro lugar, porque foi a minha primeira experiência profissional no estrangeiro e, em segundo lugar, porque acho que nunca mais vou conseguir encontrar um ambiente de trabalho semelhante em França.

Fiz o meu estágio na agência de design What'zhat, que foi criada há um ano por dois expatriados franceses que vivem no Vietname.

Trabalhar aqui, ou melhor, trabalhar no What'zhat, significa trabalhar de forma independente e ter objectivos a atingir todas as semanas, pelo que tive de aprender a gerir o meu horário e as minhas tarefas diárias. Assim, tive de aprender a ser independente e rigoroso no meu trabalho para provar que tinham razão em confiar em mim e em deixar-me ser independente. Apreciei muito as reuniões semanais para analisar o que tinha aprendido, explicar o que planeava fazer na semana seguinte e falar sobre os nossos sentimentos pessoais e profissionais.

Tinha 3 missões principais:

  • A primeira é o desenvolvimento comercial, ou seja, o enriquecimento do ficheiro de clientes da empresa através da prospeção no LinkedIn.
  • Em segundo lugar, fui responsável por referenciar o sítio web em directórios, ou netlinking, a fim de melhorar a credibilidade eletrónica do sítio What'zhat e aumentar a sua visibilidade.
  • E, por fim, a minha última tarefa principal foi desenvolver a conta Instagram da agência e monitorizar e desenvolver as vendas nesta plataforma.

Foi uma experiência gratificante, pois permitiu-me aprender mais sobre o funcionamento das empresas, como vendem e como angariam clientes. Também tive a oportunidade de descobrir como funciona o SEO e a imagem de marca de uma empresa nas redes sociais. Além disso, este método de trabalho permitiu-me aprender mais sobre mim próprio, a minha autonomia e a minha forma de ver e abordar o trabalho.

https://www.youtube.com/watch?v=l9sfqk5gaYI

Já lá estiveste ou trabalhaste? Conta-me a tua experiência nos comentários.

Deixar um comentário: